A Rianxeira: Símbolo da Galiza

A passagem do tempo transformou a «A Rianxeira» no hino popular da Galiza. Durante os anos 70, encabeçou as listas dos discos mais vendidos, estendendo-se assim a sua popularidade, que na realidade já vinha de trás. Porque desde a década de cinquenta não havia reunião, refeição familiar ou verbena galega nas quais não pudesse ser ouvida. Escutou-se nos estádios e pavilhões desportivos mais importantes da Europa e no geral não há um canto no mundo onde viva um galego no qual não se entoasse em alguma ocasião.

Por isso, quando Jesús Alonso começa a erguer o atual grupo conserveiro da Jealsa, não hesitou na hora de lhe dar um nome. «A marca passou-me pela cabeça porque La Rianxeira era a canção que cantavam todos os galegos do mundo quando se reuniam numa festa». E desde então a marca continuou a crescer e chegou a grande parte do planeta sem perder a sua associação à bem-sucedida composição.

As origens desta canção são algo difusas, mas vários são os que afirmam que foi em 1947, na cidade de Buenos Aires, que nasceu a famosa canção. A sua autoria atribui-se a Anxo Romero Loxo e dizem que a criou como homenagem a Daniel Rodríguez Castelao, símbolo do nacionalismo galego.

Desta maneira criou-se a simbiose que tanto beneficiou a Rianxeira e a Galiza. A Jealsa associou-se aos valores tradicionais e familiares da Galiza definindo assim uma identidade corporativa única e por sua vez esta cultura tão rica e variada ganhou um defensor que promoveria as suas virtudes por todo o mundo.